Infiltração e neutralização das Forças Armadas

PavilhãoDesfraldado

Afirmam os inocentes úteis, que difundir as palavras e o pensamento de certos generais é incentivar a desunião no âmbito da Força. Pois sim…vai nessa, Mané… Quando abrires os olhos, estarás manietado e fudido definitivamente, juntamento com a família! Lembraivos de 35 !

VALE PARA MEDITAÇÃO

Infiltração e neutralização das Forças Armadas

Carlos I.S. Azambuja

em 27 de janeiro de 2005

Resumo:O trabalho de infiltração nas Forças Armadas também objetiva dividí-las, uma vez que os comunistas supõem que em seu interior, em alguns países, ganham terreno tendências “patrióticas e democráticas”.
© 2005 MidiaSemMascara.org

A infiltração política e ideológica do comunismo nas Forças Armadas objetiva, basicamente, ganhar adeptos e aliados, uma vez que a posição classista e internacionalista dos partidos comunistas só poderá obter verdadeira importância e exercer o papel dirigente que, segundo a doutrina científica, lhes corresponde na revolução, se for ampliada a sua influência entre os setores não proletários da sociedade, entre os quais os componentes das Forças Armadas.

Os comunistas recorrem à infiltração com o objetivo de tirar as Forças Armadas do controle institucional democrático e colocá-las a serviço da luta revolucionária. Afirmam expressamente que partindo da experiência histórica da luta de classes, os marxistas delineiam como uma de suas tarefas primordiais a de arrebatar os exércitos do controle da burguesia.

A experiência histórica dos comunistas remonta à atividade bolchevique para ganhar os militares, a qual contém fórmulas utilizadas até os nossos dias. O professor soviético V. Fomin reafirmou em 1971 que “conserva seu valor e atualidade” a atividade de Lênin e do Partido Bolchevique, que “realizaram um trabalho inflexível e sistemático no Exército para ganhar as tropas, romper o Exército burguês e criar posteriormente as Forças Armadas da revolução socialista” (Revista Internacional, fevereiro de 1971).

De conformidade com os textos marxistas-leninistas são válidas até os dias de hoje as seguintes experiências de infiltração:

– agitação e propaganda no seio das Forças Armadas, fundamentalmente por intermédio da imprensa, que sempre foi considerada pelos comunistas um poderoso instrumento de influência ideológica

– criação de uma aliança revolucionária entre o partido e os militares, condição considerada indispensável para o avanço da revolução

– criação de células do partido dentro das Forças Armadas.

O trabalho de infiltração nas Forças Armadas também objetiva dividí-las, uma vez que os comunistas supõem que em seu interior, em alguns países, ganham terreno tendências “patrióticas e democráticas”. Qualquer que seja o caminho revolucionário que se tome – armado ou não armado –, há necessidade de um trabalho político no interior das Forças Armadas com a finalidade de inclinar parte delas, quando estejam presentes as condições objetivas e subjetivas, para o lado da revolução.

O princípio geral de dividir o adversário e explorar suas contradições para debilitá-lo e, inclusive, utilizar parte de suas forças, sempre foi utilizado pelos comunistas de todo o mundo embora, segundo a doutrina, um aliado desse tipo, seja temporário, vacilante, pouco seguro e condicional.

Outro método comunista de imobilizar as Forças Armadas consiste em sua neutralização. Em inibir seu interesse pelas grandes decisões políticas, seguindo a máxima de que quem não pode ser cooptado, deve ser neutralizado, buscando impedir que prestem ajuda efetiva à “burguesia em sua luta com o proletariado”, no caso de um eventual golpe de Estado ao estilo do ocorrido na Checoslováquia em 1948. Ora, o povo, desarmado e sem proteção armada institucional, render-se-á fatalmente à investida comunista. Desarmado o povo brasileiro já está…

Um outro objetivo da neutralização é o de impedir qualquer ação das Forças Armadas contra a implantação de um regime socialista, lançando palavras-de-ordem “contra o golpe de Estado” e “contra a guerra civil”. A suposta “defesa dos direitos humanos” e a liberação dos arquivos dos Serviços de Inteligência, sob a alegação de que isso levaria à suposta localização de mortos e desaparecidos durante a luta armada dos anos 60 e 70, como ocorre hoje no Brasil, são ações que também objetivam neutralizar as Forças Armadas e mantê-las em uma posição defensiva, como se culpadas fossem de, constitucionalmente, defenderem a Lei e a Ordem, impedindo que o país fosse transformado em uma republiqueta popular democrática.

Em uma outra etapa, na medida em que a socialização avança, os comunistas buscam tranqüilizar as Forças Armadas apoiando e elogiando hipocritamente o seu profissionalismo e a sua neutralidade política. Por outro lado, e finalmente, em um clima de aguda crise econômica, política, moral e social, é imprescindível para os comunistas recorrerem a métodos estritamente políticos para conter e neutralizar qualquer intento intervencionista das Forças Armadas em defender os “interesses das oligarquias”.

Aquele que não conhece a verdade é simplesmente um ignorante, mas aquele que a conhece e diz que é mentira, este sim é um criminoso." ( Bertolt Brecht )

AMERDALHARAM AS CONDECORAÇÕES MILITARES Este é o exército dos covardes e traidores da nossa História. Não é o meu Exército!

OMM é a mais importante condecoração do Exército: a Ordem do Mérito Militar.

Emporcalharam as comendas e, agora, não há quem tenha a coragem de fazer a limpeza….
QuackerDirceu
João Paulo Cunha - Medalha do Pacificador em 2003; e Grande Oficial da OMM em 11 Fev 2005;
José Dirceu de Oliveira e Silva - Grande Oficial da OMM em 25 Mar 2003;
José Genoino Neto - Medalha do Pacificador em 2003;
Valdemar Costa Neto - Medalha do Pacificador em 1993, Comendador da OMM em 29 Mar 1995, e Grande Oficial da OMM em 25 Mar 2003;
Geddel Quadros Vieira Lima,  - Medalha do Pacificador em 2009, e Comendador da OMM em 30 Mar 2000;
Genebaldo de Souza Correia  - Comendador da OMM em 31 Jul 1991, e Grande Oficial da OMM em 02 Ago 1993;
José Roberto Arruda - Comendador da OMM em 10 Abr 2001;
Paulo Salim Maluf - Grande Oficial da OMM em 18 Ago 1980;
Roberto Jefferson Monteiro Francisco - Medalha do Pacificador em 1995 e Comendador da OMM em 31 Mar 1997;
Severino José Cavalcanti Ferreira - Medalha do Pacificador em 1998; Comendador da OMM em 30 Mar 2000, e Grande Oficial da OMM em 22 Mar 2005;
macacocabeça
Generaisentrega_eb cópia
euZÉDIRCEU
dRAGAODAmALDADE
Anúncios

Sobre liciomaciel

Velejador
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

3 respostas a Infiltração e neutralização das Forças Armadas

  1. Juracimi Baptista da Silva diz:

    Os melancias além de participarem da infiltração, colaboram para a desclassificação e patrulhamento de todos aqueles que participaram da neutralização, dos derrotados, que tentaram implantar o comunismo no País…

  2. Pingback: Política Brasileira » Genoíno e a Medalha do Pacificador: vai cassar ou não, General Enzo?

  3. Almir Oliveira Borges diz:

    Tenho conversado sobre o assunto com os nossos companheiros da reserva. Acredito que a maioria tem consciência do perigo que ronda as FF AA. Não sei o que se passa com o pessoal da ativa. Talvez o Clube Militar seja o nosso melhor representante em levar o nosso pensamento e apreensões aos quartéis. Almir Oliveira Borges, Cao Refo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s