MANIFESTO DOS TRÊS CLUBES MILITARES

COMENTÁRIO DO LUIZ MAURO

Depois de um longo período sem manifestar-me sobre os acontecimentos políticos que nos acometem, não pude deixar de expressar a minha indignação com os fatos que comento no artigo anexo, muito mais por sentir-me obrigado do que por vontade de fazê-lo.

Tenham todos um bom fim de semana.

Um abraço do

Luís Mauro.

A MANIFESTAÇÃO ARREPENDIDA.

Muito mal Arrependida! (nós vamos tirar isto a limpo)

Luís Mauro Ferreira Gomes

24 de fevereiro de 2012

Direito à Memória

O brasileiro não tem memória.

Neste blog desmascaramos esta mentira.

Sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Comissão da Verdade: Manifesto interclubes militares

A Comissão da Verdade, se outro mérito não tiver, pelo menos provoca uma discussão pública.

É muito bom ver as pessoas e instituições manifestando-se, visto que o direito à livre expressão é uma das principais garantias individuais e é um dos pilares de um Estado Democrático.

Utilizando desse direito, os Clubes Naval, Militar e de Aeronáutica fizeram um manifesto no dia 16/02/2012 (cf. http://www.clubemilitar.com.br/pdf/compromissos.pdf), expressando o seu desacordo e desagrado com o apoio (ou pelo menos pela ausência de repreensão) da Sra. Presidenta Dilma Rousseff em relação às declarações das ministras Eleonora Menicucci e Maria do Rosário. Hoje, os jornais divulgam que os clubes militares “recuaram” nas críticas à Sra. Presidenta:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/1052712-clubes-militares-recuam-de-critica-a-dilma-por-opiniao-de-ministras.shtml.

Segundo as informações do jornal, o sítio do clube militar publicou um texto lacônico desau-torizando o manifesto assinado pelos representantes das três entidades em uma nota, que não está mais disponível.

Aparentemente, o Comandante do Exército mandou que o manifesto fosse retirado: http://www.gazetadopovo.com.br/vidapublica/conteudo.phtml?tl=1&id=1226504&tit=Comandante-do-Exercito-manda-retirar-nota-contra-ministros.

Postado por Fabiana Santos Dantas às 01:45.

Fonte: Blog Direito à Memória, de Fabiana Santos Dantas.

Os Presidentes dos Clubes Militares emitiram, em nome da Comissão Interclubes Militares, no dia 16 de fevereiro de 2012, a memorável, nota abaixo transcrita, em que se traduz, de maneira até muito suave e elegante, o pensamento da esmagadora maioria dos sócios daquelas instituições e de quase todos os militares brasileiros, inclusive os da ativa.

Esta é a razão do desespero com que o governo procura, mais uma vez, fraudar a verdade, ao tentar impedir as legítimas manifestações de quem pensa de modo diferente, mesmo que para isso tenha de violentar direitos garantidos pelo Código Civil e pela Constituição desta combalida República Federativa do Brasil.

Mas o Código Civil e a Constituição nada significam para governan-tes que, por nada reconhecerem além dos dogmas da ideologia alienígena, impatriótica e sectária que professam, desrespeitam-nos, sem qualquer ves-tígio de pudor, sempre que lhes convém, diante da passividade alienada das instituições que deveriam coibi-lo.

2

Assim, avança cada vez mais a ditadura imposta pelo PT e consentida pelos seus aliados e por todos aqueles que se prostituem pelas migalhas que a proximidade com o poder ditatorial lhes confere.

Democracias não reprimem o pensamento contrário à verdade oficial chantageando, coagindo, ameaçando ou corrompendo as lideranças diver-gentes. Tais práticas são criminosas, como criminosos são quem as pratica.

No mesmo diapasão, soam as proibições das comemorações da reden-tora Revolução de 31 de Março, que nos salvou de nos transformarmos em uma Cuba grande, mas igualmente miserável, sob a ação desses mesmos traidores que, ainda hoje, infelicitam a Nação brasileira.

Quantas dessas pessoas que nos atiram pedras agora teriam sucumbido no “paredón” dos terroristas que se dizem democratas, mas continuam tão radicais e irresponsáveis como eram antes?

Proibir que se comemore uma data que nos é cara ou tentar impedir que se homenageiem as pessoas que foram, desde 1935, covardemente assas-sinadas pelos “heróis” dessa camarilha que hoje os venera com a imposição abusiva de seus nomes a ruas em cidades importantes, não mudará os sen-timentos dos militares, sócios ou não dos Clubes Militares.

É conhecido o repúdio que temos pela desonestidade, pela mentira, pela injustiça, pela corrupção, pela covardia, pela traição, pela subversão, pelo terrorismo, por todas as formas de autoritarismo e, igualmente, pelos comunistas, provavelmente, responsáveis por mais mortes (eufemismo para assassinatos) no mundo do que todas as guerras juntas. Repúdio esse que se estende a todos os canalhas de um modo geral.

Sim, os militares continuarão a pensar como sempre o fizeram, da mesma forma que continuarão atentos a todas as ameaças à Pátria que jura-ram defender com o sacrifício da própria vida, venham de onde vierem. Pelo menos, os dignos de assim serem chamados.

Mas o que se pretende não é mudar-lhes a cabeça, senão neutralizá-los. Os regimes totalitários somente sobrevivem se não houver contestação.

Seus dirigentes não querem convencer ninguém. Para eles é suficiente aterrorizar a todos – terroristas que são – de modo a impedir qualquer mani-festação contrária à verdade oficial.

Somente assim, conseguem manter a aparente “unanimidade do pen-samento nacional” que os mantém no poder.

Já submetidas todas as outras instâncias do País, é indispensável tirar as Forças Armadas do caminho. A melhor forma para isso é fazer crer aos brasileiros (e a elas mesmas também) que não passam de milícias que qual-quer comissário partidário de terceira categoria, desprezado por seus pares de profissão, possa controlar.

Como eles conhecem muito bem os militares, que sempre se opuse-ram aos seus devaneios ideológicos, sabem, perfeitamente, que os adesis-tas, com raríssimas exceções, apenas fingem-lhes simpatia para tirar vanta-

3

gens imediatas, sejam para si, sejam para as instituições. Ao contrário das pessoais, a maioria das “vantagens” institucionais não passa de promessas que jamais serão cumpridas. Já os adesistas, de confiabilidade duvidosa (quem trai os seus, por que não haveria de trair os “outros”?), pensam que se sairão bem, porém, serão simplesmente eliminados, quando não mais forem necessários.

Foi assim em todos os países vitimados por regimes políticos seme-lhantes. Mas não é preciso ir tão longe, basta ver o que aconteceu, por aqui mesmo, em passado recente.

Cumpre lembrar, ainda, que, ao contrário do que dizem as notícias implantadas nos jornais, tais Clubes não são obrigados a cumprir regulamen-tos militares – associações de direito privado que são – nem se destinam exclusivamente a militares da Reserva, mas a todos, ativos e inativos, que compõem os seus quadros sociais, tendo, também, por força estatutária, a obrigação de defender os interesses e os direitos de todos os militares, sócios ou não, tão abandonados ultimamente.

Era justamente o que fazia a Comissão Interclubes Militares ao traduzir com tanta fidelidade o pensamento desse estamento, quando sofreu as pres-sões ilegítimas, constantes da citação em epígrafe, por parte de um governo cuja ilegitimidade não comentaremos, aqui, por já ter sido objeto do nosso trabalho “Ditadura da Maioria e Legitimidade”, de 8 de fevereiro de 2011.

Não encontramos a “nota lacônica” atribuída ao Clube Militar, mas não há por que pôr em dúvida a veracidade da notícia, pois a manifesta-ção desapareceu dos sites dos três Clubes.

O triste episódio serviu somente para mostrar que nada devemos aguardar “com expectativa positiva” de qualquer dos agentes que infestam o cenário político nacional.

Eis a nota que abalou o governo a ponto de usar o poder do Estado, ao arrepio das Leis e da Constituição, para sonegar aos brasileiros o direito de saber o que pensam os seus militares:

COMPROMISSOS…

“Dirijo-me também aos partidos de oposição e aos setores da sociedade que não estive-ram conosco nesta caminhada. Estendo minha mão a eles. De minha parte, não haverá discriminação, privilégios ou compadrio. A partir da minha posse, serei presidenta de todos os brasileiros e brasileiras, respeitando as diferenças de opinião, de crença e de orientação política”.

No dia 31 de outubro de 2010, após ter confirmada a vitória na dis-puta presidencial, a Sra. Dilma Roussef proferiu um discurso, do qual des-tacamos o parágrafo acima transcrito. Era uma proposta de conduzir os destinos da nação como uma verdadeira estadista.

4

Logo no início do seu mandato, os Clubes Militares transcreveram a mensagem que a então candidata enviara aos militares da ativa, da reserva, pensionistas das Forças Armadas e aos associados dos Clubes. Na mensa-gem, a candidata assumia vários compromissos. Ao transcrevê-la, os Clubes lhe davam um voto de confiança, na expectativa de que os cumprisse.

Ao completar o primeiro ano do mandato, paulatinamente, vê-se a Presidente afastando-se das premissas por ela mesma estipuladas. Parece que a preocupação em governar para uma parcela da população sobre-puja-se ao desejo de atender aos interesses de todos os brasileiros.

Especificamente na semana próxima passada, e por três dias conse-cutivos, pode-se exemplificar a assertiva acima citada.

Na quarta-feira, 8 de fevereiro, a Ministra da Secretaria de Direitos Humanos concedeu uma entrevista à repórter Júnia Gama, publicada no dia imediato, no jornal Correio Braziliense, na qual mais uma vez asseve-rava a possibilidade de as partes que se considerassem ofendidas por fatos ocorridos nos governos militares pudessem ingressar com ações na justiça, buscando a responsabilização criminal de agentes repressores, à seme-lhança do que ocorre em países vizinhos. Mais uma vez, esta autoridade da República sobrepunha sua opinião à recente decisão do STF, instado a opinar sobre a validade da Lei da Anistia. E a Presidente não veio a público para contradizer a subordinada.

Dois dias depois, tomou posse como Ministra da Secretaria de Política para as Mulheres a Sra. Eleonora Menicucci. Em seu discurso, a Ministra, em presença da Presidente, teceu críticas exacerbadas aos governos milita-res e, se auto-elogiando, ressaltou o fato de ter lutado pela democracia (sic), ao mesmo tempo em que homenageava os companheiros que tombaram na refrega. A platéia aplaudiu a fala, incluindo a Sra. Presidente. Ora, todos sabemos que o grupo ao qual pertenceu a Sra. Eleonora conduziu suas ações no sentido de implantar, pela força, uma ditadura, nunca tendo pre-tendido a democracia.

Para finalizar a semana, o Partido dos Trabalhadores, ao qual a Pre-sidente pertence, celebrou os seus 32 anos de criação. Na ocasião foram divulgadas as Resoluções Políticas tomadas pelo Partido. Foi dado realce ao item que diz que o PT estará empenhado junto com a sociedade no resgate de nossa memória da luta pela democracia (sic), durante o período da dita-dura militar. Pode-se afirmar que a assertiva é uma falácia, posto que, quando de sua criação, o governo já promovera a abertura política, incluindo

5

MANIFESTO INTERCLUBES MILITARES

COMPROMISSOS…

“Dirijo-me também aos partidos de oposição e aos setores da sociedade que não estiveram conosco nesta caminhada. Estendo minha mão a eles. De minha parte, não haverá discriminação, privilégios ou compadrio. A partir da minha posse, serei presidenta de todos os brasileiros e brasileiras, respeitando as diferenças de opinião, de crença e de orientação política.”

No dia 31 de outubro de 2010, após ter confirmada a vitória na disputa presidencial, a Sra Dilma Roussef proferiu um discurso, do qual destacamos o parágrafo acima transcrito. Era uma proposta de conduzir os destinos da nação como uma verdadeira estadista.

Logo no início do seu mandato, os Clubes Militares transcreveram a mensagem que a então candidata enviara aos militares da ativa e da reserva, pensionistas das Forças Armadas e aos associados dos Clubes. Na mensagem a candidata assumia vários compromissos. Ao transcrevê-la, os Clubes lhe davam um voto de confiança, na expectativa de que os cumprisse.

Ao completar o primeiro ano do mandato, paulatinamente vê-se a Presidente afastando-se das premissas por ela mesma estipuladas. Parece que a preocupação em governar para uma parcela da população sobrepuja-se ao desejo de atender aos interesses de todos os brasileiros.

Especificamente na semana próxima passada, e por três dias consecutivos, pode-se exemplificar a assertiva acima citada.

Na quarta-feira, 8 de fevereiro, a Ministra da Secretaria de Direitos Humanos concedeu uma entrevista à repórter Júnia Gama, publicada no dia imediato no jornal Correio Braziliense, na qual mais uma vez asseverava a possibilidade de as partes que se considerassem ofendidas por fatos ocorridos nos governos militares pudessem ingressar com ações na justiça, buscando a responsabilização criminal de agentes repressores, à semelhança ao que ocorre em países vizinhos. Mais uma vez esta autoridade da República sobrepunha sua opinião à recente decisão do STF, instado a opinar sobre a validade da Lei da Anistia. E, a Presidente não veio a público para contradizer a subordinada.

Dois dias depois tomou posse como Ministra da Secretaria de Política para as Mulheres a Sra Eleonora Menicucci. Em seu discurso a Ministra, em presença da Presidente, teceu críticas exarcebadas aos governos militares e, se auto-elogiando, ressaltou o fato de ter lutado pela democracia (sic), ao mesmo tempo em que homenageava os companheiros que tombaram na refrega. A platéia aplaudiu a fala, incluindo a Sra Presidente. Ora, todos sabemos que o grupo ao qual pertenceu a Sra Eleonora conduziu suas ações no sentido de implantar, pela força, uma ditadura, nunca tendo pretendido a democracia.

Para finalizar a semana, o Partido dos Trabalhadores, ao qual a Presidente pertence, celebrou os seus 32 anos de criação. Na ocasião foram divulgadas as Resoluções Políticas tomadas pelo Partido. Foi dado realce ao item que diz que o PT estará empenhado junto com a sociedade no resgate de nossa memória da luta pela democracia (sic) durante o período da ditadura militar. Pode-se afirmar que a assertiva é uma falácia, posto que quando de sua criação o governo já promovera a abertura política, incluindo a possibilidade de fundação de outros partidos políticos, encerrando o bi-partidarismo.

Os Clubes Militares expressam a preocupação com as manifestações de auxiliares da Presidente sem que ela, como a mandatária maior da nação, venha a público expressar desacordo com a posição assumida por eles e pelo partido ao qual é filiada e aguardam com expectativa positiva a postura de Presidente de todos os brasileiros e não de minorias sectárias ou de partidos políticos.

Rio de Janeiro, 16 de fevereiro de 2012

V. Alte Ricardo Antonio da Veiga Cabral
Presidente Clube Naval

Gen Ex Renato Cesar Tibau da Costa
Presidente Clube Militar

Ten Brig Carlos de Almeida Baptista
Presidente Clube de Aeronáutica

Anúncios
Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

2 respostas para MANIFESTO DOS TRÊS CLUBES MILITARES

  1. Pingback: A Manifestação Arrependida « Brazilian Voices

  2. João Batista Roberto de Almeida disse:

    Honra, dignidade, honestidade, são estes os pilares que sustentam as nossas istituiçõs militares. São estes os pilares que dão formação ao caráter dos verdadeiro brasileiros e deveriam fundamentar a as ações dos governantes do nosso pais. Infelizmente a maioria do povo brasileiro, ainda é sub-desenvolvida e por isso se torna presa fácil nas mãos dos “partidos dos traidores” da Pátria! Para vencer qualquer exercito de mentirosos, basta um único soldado empunhar a espada da verdade! coragem, sempre coragem!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s