CUMPRA-SE A CONSTITUIÇÃO

VERGONHA

Em excelente artigo publicado sob o título de “A oligarquia contra o povo”, no  Diário do Comércio,  o Professor Olavo de Carvalho assim conclui:

“Será que o ‘diretamente’ [Constituição Federal, Título I, Art. V, parágrafo único: ‘Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente’] não vale mais? Foi suprimido? Os representantes eleitos adquiriram o direito de decidir tudo por si, contra a vontade expressa do povo que os elegeu? Só eles, e não o povo, representam agora a “ordem democrática”? Senhores deputados, senadores, generais e importantões em geral : Quem meteu nas suas cabeças que a ordem constitucional é personificada só pelos representantes e não, muito acima deles, por quem os elegeu? Parem de ser hipócritas: defender ‘as instituições’ contra o povo que as constituiu é traição. A vontade popular é clara e indisfarçável: Fora Dilma, Fora PT, Fora o Foro de São Paulo! Contra a vontade popular, a presidente, seus ministros o Congresso inteiro e o comando das Forças Armadas não têm autoridade nenhuma. Se vocês não querem fazer a vontade do povo, saiam do caminho e deixem que ele a faça por si.”

Fica, no entanto, a pergunta: Como identificar a vontade expressa do povo?

Os incisos I a III do artigo 14 da Constituição Federal, ao estabelecerem os instrumentos do exercício direto da soberania popular, o plebiscito, o referendo e a iniciativa popular, parece que respondem a questão, isto é,  para que a vontade do povo seja identificada diretamente como tal, é preciso que haja alguma contagem oficial de quórum para que seja reconhecida, legitimada e validada como a vontade do povo.

Os 5 milhões que foram às ruas para manifestar algum desejo ou contrariedade representam, de fato, um número bem maior de brasileiros, mas não têm, “diretamente”, o poder legal para fazer mudanças, pois o Brasil possui uma população de mais de 200 milhões de habitantes e, caso uma parcela destes, por menor que seja, deixe de ser consultada, haverá uma afronta à ordem democrática e à legitimidade da proposta.

Logo, é preciso que os representantes eleitos, que “não têm o direito de decidir tudo por si”, interpretem corretamente a vontade eloquente, clara e indisfarçável do povo, expressa nas manifestações de rua e nas pesquisas de opinião, e que sejam compulsados a promover a aplicação dos recursos explicitados no Artigo 14 e o respeito à ordem democrática representada por quem os elegeu.

Quando estiverem, portanto, cumpridos os preceitos que identificam e tornam legal a legítima vontade do povo, a Presidente, seus ministros, o Congresso inteiro e o Comando das Forças Armadas não poderão fazer outra coisa a não ser cumprir e fazer cumprir a vontade expressa diretamente pelo povo, conforme, enfaticamente, argumenta o Professor Olavo de Carvalho.

É mais uma luz que se acende para iluminar a senda a ser trilhada pelo povo brasileiro em defesa do que, ao ser referendado diretamente pela maioria, será, constitucional e irrevogavelmente, sancionado como o melhor para o Brasil!

É assim que vejo e interpreto a oportuna proposta do Professor Olavo.

Gen Bda Paulo Chagas

Anúncios

Sobre liciomaciel

Velejador
Esta entrada foi publicada em Uncategorized. ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s